Cheque especial: O que é e como funciona?

Home > Tudo sobre crédito > Cheque especial: O que é e como funciona?

O cheque especial cobra juros altos e pode ser um grande vilão do orçamento se for usado da forma errada; conheça essa modalidade de crédito.

O cheque especial é um tipo de crédito muito usado no Brasil, mas que pode causar problemas de endividamento porque os juros cobrados são bem altos.

Apesar da sua popularidade, muita gente não sabe exatamente como funciona essa modalidade.

Explicando de forma resumida, quando o dinheiro que você tem na conta não é suficiente para realizar algum pagamento, o limite de cheque especial que está disponível é usado de forma automática.

O grande problema é o custo elevado, que pode aumentar suas dívidas e bagunçar a sua vida financeira.

Para você entender melhor o funcionamento desse tipo de crédito, criamos este artigo com todas as informações necessárias.

O que é cheque especial?

O cheque especial é um limite de crédito que fica liberado na conta corrente e pode ser usado de forma automática quando seu saldo é insuficiente para quitar algum débito.

Mas, para que isso aconteça, é preciso solicitar ao banco que o limite fique disponível para utilização.

Como funciona o cheque especial?

O cheque especial funciona como um crédito liberado pelo banco e que deve ser usado apenas de forma emergencial, quando você precisa fazer algum pagamento ou saque e o seu saldo não é suficiente.

Vamos dar um exemplo para ficar mais claro. Imagine que João tenha R$ 400 de saldo na conta corrente e mais um limite de R$ 500 no cheque especial.

O aluguel da casa onde ele mora, no valor de R$ 850 vence no dia 5, mas o seu salário só cai no dia 7.

No dia 5, para não atrasar o aluguel, ele usa R$ 450 do cheque especial, paga o aluguel em dia e no dia 7, assim que recebe o seu salário, parte do valor é usado para cobrir o valor utilizado do cheque especial.

No entanto, além de ter que cobrir todo o valor que ele utilizou, o banco cobra juros, como mostramos no tópico a seguir.

Quais são os juros do cheque especial?

O Banco Central (BC) faz um levantamento com todos os bancos para ter uma média dos juros cobrados pelo cheque especial. De acordo com dados do mês de abril de 2021, a taxa de juros média estava em 124,5% ao ano.

Os juros variam de banco para banco, mas desde o começo de 2020, o BC definiu o limite máximo de 8% ao mês – equivalente a 150% ao ano.

Por mais que seja limitada, essa taxa ainda é muito alta e é preciso tomar bastante cuidado com as dívidas no cheque especial.

Para você ter ideia, se usar R$ 1.000 do cheque especial e não fizer o pagamento, em um ano o valor da dívida pode chegar a R$ 2.500, ou seja, mais do que o dobro do que você usou.

De acordo com dados do mês de abril de 2021, a taxa de juros média de juros do cheque especial estava em 124,5% ao ano.

Como calcular os juros do cheque especial?

O cálculo dos juros do cheque especial é feito de forma composta, então a conta não é tão simples de ser feita.

Só para dar um exemplo, uma taxa de 8% ao mês atingiria 96% ao ano se fosse calculada como juros simples, ou seja, multiplicando 8 (juro mensal) por 12 (quantidade de meses). Mas como o cálculo é feito com juros compostos, essa soma chega a 150% em 12 meses.

Para calcular de forma mais fácil, existem várias calculadoras de juros compostos disponíveis na internet.

O próprio Banco Central criou uma calculadora online de juros compostos. Basta digitar a taxa de juros mensal, a quantidade de meses e o valor que você ficou devendo (capital atual) e você saberá quanto vai pagar de juros no total.

O link para acessar a calculadora do BC é este: https://www3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCalculoValorFuturoCapital.do?method=exibirFormCalculoValorFuturoCapital

O Banco Central disponibiliza uma calculadora online de juros compostos

A dívida do cheque especial caduca?

Se a dívida do cheque especial não for paga, o seu nome vai entrar nos órgãos de proteção ao crédito, como o SPC e a Serasa. Neste caso, a dívida só pode constar nesses cadastros de inadimplentes por um prazo de 5 anos.

Após esse prazo, o nome do cliente não pode mais aparecer como devedor por causa deste débito.

No entanto, é importante lembrar que a dívida não deixa de existir. Ou seja, ela nunca prescreve e o banco poderá tomar medidas judiciais para reaver o valor que não foi pago.

Qual o valor do cheque especial?

O valor do limite do cheque especial depende de cada cliente. Funciona assim: o banco faz uma análise de perfil de crédito, avaliando o score e a movimentação financeira de cada pessoa para liberar o limite na conta.

Quanto melhor for o seu perfil, maior costuma ser o limite disponível de cheque especial na sua conta corrente.

No entanto, muitas vezes o próprio cliente pede para abaixar esse limite ou então até retirá-lo da sua conta, quando não pretende utilizá-lo.

O que acontece se estourar o limite do cheque especial

Na verdade, não tem como “estourar o limite” do cheque especial. Isso porque depois que o limite do cheque especial termina, não dá para usar um valor extra além dele.

Por exemplo: se o seu limite de cheque especial for de R$ 300, você não vai conseguir utilizar R$ 350. Assim que você usar os R$ 300 disponíveis, não terá mais crédito disponível na sua conta corrente.

Qual o prazo que tenho para pagar o limite?

Quando você utiliza o limite disponível, sua conta corrente fica “negativa” no cheque especial. Isso quer dizer que cada depósito, DOC ou TED que é feito na sua conta é usado automaticamente para abater o valor que está negativo no cheque especial.

No entanto, como os juros são muito altos, se o cliente usar mais de 15% do limite por 30 dias seguidos, o banco precisa oferecer uma linha de crédito com juros mais baixos.

Mas cabe ao próprio cliente decidir se vai continuar no cheque especial ou se vai aceitar essa linha de crédito mais barata.

Lembrando, que por mais que não exista um prazo específico para pagar o limite que está sendo utilizado, a taxa de juros cobrada é altíssima e se você não pagar, sua dívida vai crescer de forma muito rápida.

Como já mostramos neste artigo, a taxa pode chegar a 150% ao ano. Isso quer dizer que se você usar R$ 1.500 do limite de cheque especial e ficar 1 ano sem pagar nada, estará devendo R$ 3.750 depois de 12 meses.

Lembrando que o limite fica disponível pelo prazo de 180 dias, podendo ser renovado por mais 180 dias automaticamente. Se o cliente ficar devendo e não depositar nada na conta, o banco provavelmente não vai renovar o limite.

O que acontece se eu não pagar o limite do cheque especial?

Se você não pagar o limite de cheque especial, ou seja, não fizer nenhum depósito na conta para cobrir o saldo negativo, seu score de crédito vai ser reduzido e seu nome poderá ficar sujo com a inclusão nos órgãos de proteção ao crédito.

Além disso, o banco poderá optar por medidas judiciais para reaver o valor que foi utilizado, entrando com um processo na justiça civil para obrigar o pagamento do débito.

Se você não pagar o cheque especial, seu nome vai ficar sujo e o banco poderá optar por medidas judiciais para reaver o valor

Como funciona a nova regra do cheque especial

A nova regra do cheque especial passou a valer em 2020. Entre as mudanças, como já dissemos, foi estipulado um limite máximo de cobrança de juros pelos bancos, de 8% ao mês – equivalente a 150% ao ano.

Além disso, os bancos agora podem cobrar até 0,25% ao mês dos clientes que possuem  cheque especial acima de R$ 500 na conta, mesmo que não utilizem o dinheiro liberado.

Para quem tem limite de até R$ 500, não há nenhum tipo de cobrança. Já quem tem mais do que isso disponível, pode pagar entre 0,01% e 0,25% sobre o valor que ultrapassar os R$ 500.

Ou seja, se o seu limite for de R$ 1.500, você terá que pagar um percentual sobre R$ 1.000.

Mas a cobrança não é obrigatória e fica a critério de cada banco. Portanto verifique na sua conta e converse com seu gerente caso tenha sido cobrado por ter limite de cheque especial.

Cheque especial: É possível para negativado?

Todos os bancos fazem uma análise de crédito do cliente antes de disponibilizarem qualquer tipo de limite na conta.

Com o cheque especial é a mesma coisa. Se o banco fizer a análise do seu perfil e seu nome estiver sujo, as chances de conseguir liberação do cheque especial são muito baixas, porque o banco entende que o risco de você não pagar o que utilizou é bastante elevado.

Portanto, se o seu nome estiver negativado, o melhor é tentar limpá-lo o quanto antes para voltar a ter acesso ao crédito sempre que precisar.

Vale a pena usar o cheque especial?

O cheque especial é o tipo de crédito mais caro que existe, ao lado do rotativo do cartão. Por isso, sua utilização pode provocar um grande endividamento.

A sua utilização deve ser feita com muito cuidado e até pode valer a pena se você pagar tudo o que deve em poucos dias.

Por exemplo: você precisa fazer um saque urgente hoje, mas só vai receber o salário daqui a 3 dias. Nesse caso, o cheque especial pode ser usado, pois os juros serão proporcionais aos dias que você usou.

Já se você pretende usar por muito tempo, não vale a pena porque os juros são muito altos. Neste caso, o ideal é solicitar um empréstimo que cobre encargos menores.

Dicas para sair do cheque especial

1 – Pague a dívida o quanto antes

A dívida do cheque especial é uma das mais caras que existem. Os juros cobrados são muito altos e fazem com que o seu débito aumente dia a dia.

Por isso, se você está usando o cheque especial, deve focar todos os seus esforços para quitar essa dívida o quanto antes, priorizando o seu pagamento em relação a outros débitos.

Os juros cobrados são muito altos e fazem com que o seu débito aumente dia a dia.

2 – Organize as suas finanças

Se você está usando o cheque especial, provavelmente seu orçamento precisa ser ajustado. A regra básica para ter as finanças em dia é fazer um planejamento para que seus débitos não sejam maiores do que aquilo que você ganha por mês.

 Por isso, se você está gastando mais do que ganha, comece a economizar e cortar despesas para que sobre dinheiro para pagar o cheque especial.

3 – Tenha uma renda extra

Se você não conseguir cortar nenhuma despesa, pode tentar aumentar as suas receitas com uma renda extra e  quitar o cheque especial.

Você pode dar aulas particulares, fazer artesanato ou doces para vender, entre diversas outras opções para ganhar um dinheiro a mais.

4 – Evite gastos desnecessários

Se você já está devendo no cheque especial, precisa tomar muito cuidado para não fazer novas dívidas e aumentar seu débito na conta.

Então evite compras que não sejam essenciais para o seu dia a dia até que consiga quitar todo cheque especial.

Dica 5 – Procure crédito mais barato

Se você não conseguir quitar a dívida com seu próprio dinheiro, pode tentar fazer um empréstimo mais barato, como o consignado, e pagar o cheque especial.

Assim, você vai pagar menos juros e poderá quitar mais facilmente o seu débito.

Conclusão

O cheque especial pode ser um grande vilão do orçamento se você usá-lo da forma errada. Lembre-se de que os juros são muito altos e que a sua dívida vai crescer rapidamente se você não pagar logo o que ficou devendo.

Por isso, esse tipo de crédito só deve ser usado de maneira emergencial, se você não tiver nenhum outro recurso disponível e precisar do dinheiro por poucos dias, como nos exemplos que usamos neste artigo.

Já se você está precisando de crédito para o longo prazo, o ideal é procurar opções mais baratas, como o empréstimo pessoal e o consignado, que cobram juros menores.

O cheque especial pode ser um grande vilão do orçamento se você usá-lo da forma errada

Equipe alt.bank

Nosso time de especialistas está focado em criar conteúdos relevantes para te ajudar a ter mais autonomia financeira e promover um sistema financeiro mais justo no Brasil.

1 comentário em “Cheque especial: O que é e como funciona?”

  1. bom concordo que usando cheque especial sem controle vira uma bola de neve mais a questa é quando ha controle e melhor do que recorrer empréstimos caríssimos como emp pessoal

    Responder

Deixe um comentário