Score: Entenda tudo sobre a pontuação de análise de crédito

Home > Tudo sobre crédito > Score: Entenda tudo sobre a pontuação de análise de crédito

Você sabia que ter um score bom é importante para conseguir empréstimos e financiamentos com juros baixos e acessar produtos diferenciados, como cartões com mais benefícios e um limite de crédito maior?

Ainda desconhecida por boa parte da população, essa é uma das principais ferramentas utilizadas por bancos, financeiras e varejistas para obter informações em relação ao perfil de crédito do consumidor.

Com o sistema, as empresas podem estabelecer limites, taxas de juros e prazos de maneira mais justa e segura, reduzindo de maneira considerável o risco de inadimplência.

Explicando de uma forma resumida, o score classifica o histórico de crédito dos consumidores de acordo com os seus hábitos de pagamento e estabelece uma nota para cada pessoa. 

Os clientes com uma pontuação alta possuem mais chances de conseguir crédito, além de terem acesso a juros mais baixos, já que a probabilidade de que eles não paguem ou atrasem as parcelas é menor.

Por outro lado, pessoas que têm uma pontuação baixa enfrentam mais dificuldades quando precisam de crédito, tanto nos bancos e financeiras, quanto nas varejistas que permitem compras financiadas com cartões próprios ou com carnês. 

Afinal de contas, existe um risco maior de inadimplência e isso é repassado em forma de custos para o próprio consumidor.

Para você entender melhor como funciona esse sistema e o que fazer para melhorar a sua pontuação, preparamos este artigo com todas as informações necessárias.

O que é score?

O score é uma nota calculada por birôs de crédito como Serasa e Boa Vista, que vai de zero até 1.000 e serve para avaliar o perfil financeiro dos consumidores, indicando a sua probabilidade de atrasar ou deixar de pagar alguma conta.

Antes de liberar o crédito, bancos, financeiras e varejistas consultam a pontuação do cliente e conseguem avaliar de maneira mais simples e rápida o perfil de pagamento de cada pessoa.  

Com base nestas informações, as empresas podem decidir se aprovam o crédito e qual será a taxa de juros cobrada na operação.

Quanto mais próxima a nota estiver de zero, maior a possibilidade de inadimplência daquele consumidor. Já se estiver mais perto de 1.000, o nível máximo, a chance de o cliente não arcar com os pagamentos cai significativamente. 

Portanto, a tendência é que a pessoa consiga empréstimos e financiamentos com mais facilidade e custos menores quando possui uma pontuação positiva.

Isso tudo é feito porque a inadimplência é uma das maiores preocupações das instituições financeiras, que precisam manter esse índice baixo para que a sua operação seja rentável e sustentável.

De acordo com dados da Serasa Experian, em dezembro de 2020, o número de brasileiros com cadastro negativo, ou seja, com o nome sujo, chegou a 61,4 milhões.

Em abril de 2020, logo após o início da pandemia, este montante era ainda maior: 65,9 milhões de pessoas tinham contas vencidas e não pagas no país, o que representava 41,8% do total de brasileiros acima de 18 anos.

Segundo especialistas, iniciativas como o score de crédito e o cadastro positivo tendem a contribuir para a redução da inadimplência, por permitirem uma análise mais ampla em relação ao perfil financeiro de cada pessoa.

Em dezembro de 2020, o número de brasileiros com com o nome sujo chegou a 61,4 milhões. (Pixabay)

Score de crédito: Como funciona?

O score funciona como um indicador de perfil financeiro baseado no seu histórico de crédito e pagamentos.

Em outras palavras, significa que os valores de todos os créditos que estão em seu nome, como empréstimos, financiamentos e cartões, são levados em consideração para criar a sua pontuação.

Além disso, cada conta de consumo que você paga, como água, energia, telefone, gás e internet, entre diversas outras, também são consideradas para definir qual será a sua nota.

Se você tem o costume de pagar tudo em dia, está com o nome limpo e possui vários produtos de crédito vinculados ao seu CPF, a tendência é que a sua pontuação seja mais elevada.

Como o score é calculado?

A nota é calculada com base em uma série de informações disponíveis sobre a movimentação financeira. Entre as principais estão o histórico de crédito do consumidor, dados sobre restrições em seu CPF – ou seja, se ele tem ou já teve o nome sujo -,  e também o cadastro positivo, que mostra os hábitos de pagamento do consumidor.

Após o cruzamento de todas as informações, os birôs de crédito utilizam um sistema de cálculo que emite a pontuação de cada pessoa de acordo com o seu perfil.

A tabela é definida da seguinte maneira:

·   Mais que 700 pontos: é considerado um risco baixo de inadimplência

·    Entre 300 e 700 pontos: é considerado um risco médio de inadimplência

 ·   Menos que 300 pontos: é considerado um alto risco de inadimplência

Como saber qual é o seu score de crédito?

Para conseguir ver os seus pontos é necessário acessar o site dos birôs que disponibilizam esse sistema. São eles: Serasa, Boa Vista, Quod e SPC.

Lembrando que só é possível consultar a sua própria pontuação e que será necessário fazer um cadastro em cada um dos birôs para ter acesso às informações, já que a nota não é unificada entre eles.

Isso significa que o score muda de um birô para outro? Sim, mesmo que a tendência seja de ele fique sempre em um nível parecido em todas as instituições.

O que pode aumentar a pontuação?

Como aumentar o score é uma das principais dúvidas das pessoas que precisam de crédito, mas possuem dificuldade de aprovação por estarem com uma pontuação baixa.

Para mudar essa situação é fundamental manter todos os seus débitos em dia, efetuando sempre o pagamento de cartões, financiamentos e empréstimos até a data do vencimento.

Afinal, cada vez que existe um atraso a tendência é que o  consumidor seja visto como um mau pagador pelas empresas.

Um outro hábito que prejudica as finanças e também afeta negativamente a pontuação é o pagamento rotativo da fatura do cartão de crédito.

Além de encarar juros altíssimos quando deixa de quitar a fatura integralmente, o consumidor ainda tem o seu histórico de crédito diminuído quando age desta forma. 

Os birôs de crédito também recomendam que os clientes mantenham seus dados cadastrais sempre atualizados nos sistemas dessas instituições.

Isso porque a facilidade de encontrar um consumidor em caso de atraso de pagamento também é levada em consideração pelas empresas.

Por fim, é importante lembrar que, para quem está com o nome sujo, o primeiro passo para aumentar o score é quitar as dívidas que estiverem no cadastro negativo e limpar o nome o mais rapidamente possível.

carteira marrom com cartões de crédito
A utilização de cartões de crédito e o pagamento integral e em dia da fatura ajudam a melhorar o score (Unsplash)

Ter um cadastro positivo ajuda a melhorar o score?

De acordo com os próprios birôs, ter um cadastro positivo ativo ajuda a melhorar o score, já que para estabelecer a pontuação este é um dos critérios utilizados.

Não se esqueça de que o cadastro positivo é uma ferramenta importante para quem quer construir a reputação de bom pagador, pois ele mostra todo o histórico de pagamentos em dia, como faturas do cartão, contas de consumo, empréstimos e financiamentos.

Cada vez que você quita alguma dessas contas sem nenhum atraso, o seu cadastro positivo agrega essa informação e isso terá um peso importante no cálculo da sua nota.

Como o score baixo pode prejudicar?

 Esta é uma dúvida frequente. A resposta é que uma pontuação ruim prejudica o acesso ao crédito porque as empresas acessam este sistema para terem informações sobre o perfil de pagamento do consumidor.

Vamos dar um exemplo para ficar mais claro: imagine que João precisa de um empréstimo e faz uma solicitação para o gerente do seu banco.

Antes de emprestar o dinheiro, o gerente efetua uma análise de crédito para saber se João terá condições de pagar a dívida e acessa o Serasa Score para descobrir qual é a sua pontuação.

Digamos que a nota de João seja 310 pontos na tabela – lembrando que a escala vai de 0 a 1.000 pontos. Este é um nível considerado baixo e significa que João pode ter – ou já teve – dificuldades em arcar com seus pagamentos, podendo inclusive ter deixado de honrar com alguns compromissos financeiros e ficado com o nome sujo.

Ao término desta análise, há uma maior chance de que o gerente do banco não libere o empréstimo, ou então disponibilize uma quantia menor, exigindo um pagamento maior de juros.

Afinal de contas, alguém que possui uma pontuação baixa é visto como mau pagador e isso causa dificuldades na hora de solicitar algum empréstimo ou financiamento.

Percebeu como o fato de João não possuir uma pontuação positiva prejudicou seus planos? Com isso, a sua vida financeira, que já estava complicada, poderá demorar ainda mais para se acertar.

Por que as empresas fazem análise de crédito?

Se você tivesse que emprestar dinheiro para uma pessoa, quais critérios adotaria para se proteger de um possível calote?

Talvez uma das suas primeiras atitudes seria perguntar para outros credores que já emprestaram recursos para este mesmo indivíduo se houve algum problema com o pagamento ou se tudo correu bem, certo?

Afinal, se a pessoa não pagou dívidas feitas anteriormente, ou se ela atrasou as parcelas, existe uma boa chance de que ela faça isso novamente. E então você sairia no prejuízo.

Empresas como bancos e financeiras fazem análise de crédito dos clientes justamente para mitigar o risco de não receberem os pagamentos, ou então deles serem feitos com atraso.

Isso obviamente gera uma série de custos para quem emprestou, portanto, estes riscos devem ser mitigados ao máximo.

Essa é a explicação para que, antes de conceder qualquer tipo de empréstimo, liberar um cartão ou aprovar um financiamento, a instituição financeira passe um “pente fino” na vida financeira do solicitante, por meio da análise de crédito e consulta aos birôs que disponibilizam a pontuação.

Tipos de empresas que podem consultar o seu score

 As empresas que podem consultar o score são principalmente bancos, financeiras e o comércio varejista que disponibiliza crédito para os consumidores, seja por meio de cartão com bandeira própria ou com carnês para pagamento parcelado.

Ou seja, os seus pontos são consultados  prioritariamente pelas instituições que concedem crédito e que precisam saber qual é o seu histórico de pagamentos anteriores para poderem liberar a operação sem correr muitos riscos.

As concessionárias de água, luz e gás, empresas de telefonia e internet, além de prestadores de serviços em geral também podem consultar essa pontuação antes de disponibilizar algum produto ou serviço.

Conclusão

 Como você pode perceber, o score de crédito tem muita relevância na sua vida financeira e é importante manter sua pontuação mais alta possível.

Isso vai ajudar a classificá-lo como um bom pagador e fará com que seu acesso a empréstimos, financiamentos e alguns tipos de serviços seja aprovado mais facilmente quando você precisar.

Além disso, pessoas com nota alta têm vantagens em relação ao pagamento de juros, que costumam ser mais baixos por conta do menor risco de inadimplência da operação.

Portanto, se você estiver com poucos pontos, deve começar o quanto antes a mudar essa situação.

Lembre-se de que o pagamento de faturas do cartão de crédito, financiamentos imobiliários, consórcios e contas de consumo são levados em consideração para definir um perfil financeiro e atribuir sua nota. Então se esforce para manter seus débitos sempre em dia.

Já se você tiver uma pontuação boa, acima de 700 pontos, significa que sua vida financeira está no caminho certo e que você deve manter este nível para ter facilidade de acesso ao crédito sempre que houver necessidade.

Se tiver um score alto, você terá mais chances de ter empréstimos e financiamentos aprovados (Unsplash).

Jenifer corrêa

Jornalista com 12 anos de experiência em conteúdos sobre Mercado Financeiro e Finanças Pessoais. Paixão por Educação Financeira e jornadas de transformação das pessoas.

Deixe um comentário

Captcha loading...